13 de setembro de 2011

Quanto tempo dura a sua paciência? Conte até 10 (ou 11, 12)

       Talvez você já tenha estado do lado da platéia que faz cara feia, balança a cabeça e critica os pais da criança que, atingida pelo NÃO irrevogável ao exigir um doce ou um brinquedo, promove um show no supermercado ou no shopping ao se atirar  ao chão e ficar aos berros. Se hoje você tem filhos, das duas uma: ou já protagonizou um episódio bem parecido ou não deve tardar em enfretá-lo.

O comportamento é típico do desenvolvimento infantil e ilustra uma das tantas situações em que as crianças testam, e acabam com, a paciência dos pais. Passada essa fase, vem outras, perpetuando o exercício da tolerância pela adolescência afora. Contar até 10 e tentar refrear a fúria nem sempre funciona e o adulto não deve se martirizar com a culpa quando os ânimos serenarem. Fique tranquilo: uma vez ou outra todo mundo sai do sério, grita, se exalta. Só não faça disso uma rotina.


Quando não for possível encontrar uma solução a tempo de evitar uma briga, o ideal é conversar, entender os motivos da reação do outro e tentar prevenir repetições. Eis algumas dicas para evitar a perda de paciência dos pais.

Organização
O que tira a paciência - Brinquedos espalhados, roupa embolada no armário, toalha molhada em cima da cama.
Como agir - Regras de convivência estipulando direitos e deveres tornam mais agradável o dia-a-dia da família. As escolas reforçam muito a organização que deve ser incentivada também em casa. A criança pode tirar tudo do lugar, espalhar pelo chão desde que recolha depois. Faça dessas tarefas algo prazeroso, ensinando a importância de cuidar das próprias coisas e não uma punição. Mostre as consequências da falta de organização. Quem guarda um jogo em um lugar diferente a cada dia nunca sabe onde encontrá-lo e qando não estende a toalha após o banho pode ter que se secar com uma toalha molhada. Reforce essas regras sempre, para que o quarto e o restante da casa não se tornem intransitáveis.

Eles acham que sabem tudo
O que tira a paciência - Adolescentes teimosos ou os que nao se dedicam aos estudos.
Como agir - Em discussões intermináveis com argumentações sem fim, procure ser equilibrado e não recorrer à prática pura e simples de autoritarismo. Explicar as razões das proibições, além de ser um exercício de paciência, é fundamental para a educação de seu filho. Há temas inegociáveis em cada família e você deve deixar isso bem claro. Mas deve também ceder quando se der conta de que seu filho tem razão. Quanto aos compromissos da escola, é imprescindível estabelercer uma rotina desde os primeiros anos escolares - é preciso ter horário e local para estudar todos os dias, não somente às vésperas das provas. A dedicação ao colégio é inegociável e cabe aos pais acompanhar o que se passa na escola e cobrar um bom desempenho.
Dr. João Maurício Scarpellini Campos é pediatra
scarpellini@terra.com.br

http://www.mingaudigital.com.br/article.php3?id_article=3129

2 comentários:

  1. ai nossa, vou te dizer, ñ gosto nem de imaginar, eu ñ tenho paciencia, ñ gosto e sempre fui daquelas q balançava a cabeça ao ver uma criança dando escandalos... minha hr vai chegar, minha hr vai chegar...

    ResponderExcluir

Seus comentários serão sempre bem vindos!!!!